sábado, agosto 19, 2006

Ribeira das Cales

A Ribeira das Cales nasce no Parque Ecológico do Funchal, e é um afluente da Ribeira de João Gomes. A água proveniente desta ribeira é principalmente absorvida na zona do Chão da Lagoa.
Para chegar até á Ribeira das Cales subimos a estrada que passa pelo monte, e vai dar ao Poiso.
A entrada para este canyoning faz-se pela casa da Ribeira das Cales, perto do portão sul do Chão da Lagoa ou por um caminho de terra a direita depois de passar a ponte(sentido Funchal Poiso).
Neste canyoning encontramos vários tobogans, coisa que não é muito habitual nos canyonings da madeira.
Este canyoning não se encontrava com muita água ( a primeira metade estava seca) mas após ter percorrido meio canyoning a água lá aparecia nos tobogas, nos ultimos rápeis e até dava para encher algumas lagoas.

Os rápeis existentes neste canyoning não são grandes, o maior e último talvez terá cerca de 25 metros.

A Nivel de cordas uma de 50 metros, e mais uma corda de socorro com 25 mt dá perfeitamente.

A nível de equipamento este canyoning está muito bem equipado.

O tempo que demorei foram 3:30h, tempo mais do que sufeciente para fazer este canyoning.

















































































































































Fotos de: Nuno Freitas,
Duarte Silva, Mara Cardoso

2 comentários:

Carlos Rodrigues disse...

percorri este traçado com o meu grupo de amigos há já alguns meses e dado que na altura julgamos que não dispúnhamos ainda de corda suficiente, contornamos o último rapel pelo caminho de terra à esquerda. fizémos um reconhecimento prévio por baixo e o desnível parecia ser inferior a 30m, mas na altura, visto de cima, parecia ser bem superior. Esta medição dos 25m está correcta, e é a contar mesmo do topo da queda?

cumprimentos

Carlos Rodrigues

Nuno Freitas disse...

A medição de 25 metros é mais ou menos aproximada, para ter dados mais concretos tenho de ir até lá com um gps ou com um altímetro!

Abraço
Nuno Freitas

Permissão para a realização de actividades de Montanha

Para realizar canyoning, escalada ou outra actividade de montanha em perímetro florestal que não sejam os passeios a pé, é necessário pedir licença à Direcção Regional de Florestas. Fica aqui o aviso, a todos os amantes destas actividades, para que não fiquem espantados quando forem impedidos de realizar as mesmas. Atenção quando pedirem as licenças para realizar canyoning têm de ser usar o nome original da ribeira que vão descer, e não outro nome, ou estrangeirismos.

Referencias à Canyoning Madeira na comunicação social

“Há um novo paraíso no Atlântico”
"De uma vasta lista, e de acordo com a página da internet http://canyoningmadeira.blogspot.com/, o canyoning pode ser praticado nas Ribeiras do Seixal, na Ribeira Funda, da Hortelã, do Alecrim, das Cales, da Pedra Branca, da Água Negra, do Inferno, entre muitas outras. Neste sítio da “net”, o responsável informa a necessidade de pedir autorização à Direcção Regional de Florestas para a prática da modalidade." in Jornal da Madeira - Suplemento Revista olhar em 2007-09-08
--------------------------------------------------------------
Canyoning in the heart of Madeira
"As with most other sports on Madeira, canyoning is practiced by a few dedicated members of the local population to the imagination of the international tourist. Taking that into account, the pastime has a lot of potential. Indeed, those who practice canyoning are unanimous in the belief that Madeira is blessed as a location for this unusual, adventure sport. Canyoning only reached Madeira in 1989, when two French explorers led by Frédéric Feu mapped and opened the island’s first routes. For about ten years the situation hardly changed. Then in 2002 a group of continentals arrived, including Francisco Silva, and a couple of Frenchmen-one of which, Antoine Florin who published Madeira’s only Canyon Guide in February 2003, and a group of locals, who by then were already practicing the sport on a regular basis. Each foray into the mountains opened up new routes and an era of discovery dawned on an island that seemed boundlessly blessed with the ability to surprise. Reports of these experiences described a condensed island, with an impressive variety of canyoning routes. They spoke of incredible scenery, a multitude of lakes shaded by lush vegetation, countless waterfalls, and vertical walls reaching 70 meters in height ending at the sea’s edge. Equally noted was Madeira’s mild climate, enabling descents throughout the year, and also the volcanic nature of canyoning on the island, setting it apart from the usual limestone and granite itineraries in the rest of Europe. Such excellent conditions clearly indicated the emotional rush the island could offer canyoners and it was no surprise that word soon spread around the canyoning community. The foundations had been laid for the sport’s commercialization. Although the Ribeiro Frio, located in the Areeiro area, is the most popular canyoning destination for enthusiasts, many other routes have already been mapped out, primarily for the use of experienced canyoners. Therein lies the problem, the lack of many simple canyoning routes that are ideal for novices to the sport, laments Francisco. For more information visit http://www.madeiratourism.org/; www.adesnivel.pt/canyoning/historia_do_canyoning.html and www.canyoningmadeira.blogspot.com/ "
Artigo retirado do site http://www.insideportugaltravel.com/