quinta-feira, fevereiro 22, 2007

O Canyoning na Ilha da Madeira

O canyoning na Madeira começou em fins de 1989 por um grupo de franceses, liderados por Frederic Feu, ligado a uma empresa de nome Atalanta. Começou-se nesta altura a exploração de alguns cursos de água na Ilha da Madeira como o Ribeiro Frio, e posteriormente a Ribeira das Cales.

Esta modalidade continuou a ser praticada por alguns madeirenses, que contribuíram na exploração e equipamento de alguma ribeiras surgindo depois alguns continentais, e mais tarde um grupo de franceses dos quais destaco Antoine Florin. Algumas das ribeiras a serem exploradas posteriormente ás cales e ao Ribeiro Frio foram a parte superior da ribeira do inferno, a ribeira da hortelã entre outras. Desde o ano de 2000 os itinerários naturais nomeadamente as ribeiras foram exploradas por pessoas ligadas a Associação de Desportos de Aventura Desnível, que tem vindo a realizar alguns estágios de canyon acabando por equipar algumas ribeiras. De destacar é o trabalho feito por um grupo de franceses liderado por Antoine Florin ao qual acabaram também por se juntar alguns Madeirenses.

Antoine Florin acabou por equipar e reequipar desde Setembro do ano 2000 até à data cerca de 40 canyons, a maior parte está equipada integralmente outros não. Neste momento existe á venda um livro denominado Canyons da Madeira, editado pelo próprio, e pode ser encontrado no seu site www.canyoning-madeira.com.

Desde Agosto de 2006 a Canyoning Madeira pelas mãos de Nuno Freitas foi pioneira na divulgação dos itenerários existentes na Ilha da Madeira, contribuído na divulgação e internacionalização destes ao publico em geral.
Esta actividade até à data era um pouco fechada e falada apenas a um grupo restrito de pessoas que viam no canyon o seu maior segredo.


A Canyon Madeira não só tem contribuído na divulgação da actividade mas também na manutenção e reequipamento de alguns canyons, baseando-se na recolocação de amarrações, danificadas por causas naturais ou retirados do seu sítio por ingenuidade de alguém. Tem também realizado a substituição de algumas amarrações naturais por artificiais com vista a oferecer uma maior segurança. Em algumas situações tem requipado novas amarrações devido ao facto dos destrepes ou saltos serem muito expostos.

Sem comentários:

Permissão para a realização de actividades de Montanha

Para realizar canyoning, escalada ou outra actividade de montanha em perímetro florestal que não sejam os passeios a pé, é necessário pedir licença à Direcção Regional de Florestas. Fica aqui o aviso, a todos os amantes destas actividades, para que não fiquem espantados quando forem impedidos de realizar as mesmas. Atenção quando pedirem as licenças para realizar canyoning têm de ser usar o nome original da ribeira que vão descer, e não outro nome, ou estrangeirismos.

Referencias à Canyoning Madeira na comunicação social

“Há um novo paraíso no Atlântico”
"De uma vasta lista, e de acordo com a página da internet http://canyoningmadeira.blogspot.com/, o canyoning pode ser praticado nas Ribeiras do Seixal, na Ribeira Funda, da Hortelã, do Alecrim, das Cales, da Pedra Branca, da Água Negra, do Inferno, entre muitas outras. Neste sítio da “net”, o responsável informa a necessidade de pedir autorização à Direcção Regional de Florestas para a prática da modalidade." in Jornal da Madeira - Suplemento Revista olhar em 2007-09-08
--------------------------------------------------------------
Canyoning in the heart of Madeira
"As with most other sports on Madeira, canyoning is practiced by a few dedicated members of the local population to the imagination of the international tourist. Taking that into account, the pastime has a lot of potential. Indeed, those who practice canyoning are unanimous in the belief that Madeira is blessed as a location for this unusual, adventure sport. Canyoning only reached Madeira in 1989, when two French explorers led by Frédéric Feu mapped and opened the island’s first routes. For about ten years the situation hardly changed. Then in 2002 a group of continentals arrived, including Francisco Silva, and a couple of Frenchmen-one of which, Antoine Florin who published Madeira’s only Canyon Guide in February 2003, and a group of locals, who by then were already practicing the sport on a regular basis. Each foray into the mountains opened up new routes and an era of discovery dawned on an island that seemed boundlessly blessed with the ability to surprise. Reports of these experiences described a condensed island, with an impressive variety of canyoning routes. They spoke of incredible scenery, a multitude of lakes shaded by lush vegetation, countless waterfalls, and vertical walls reaching 70 meters in height ending at the sea’s edge. Equally noted was Madeira’s mild climate, enabling descents throughout the year, and also the volcanic nature of canyoning on the island, setting it apart from the usual limestone and granite itineraries in the rest of Europe. Such excellent conditions clearly indicated the emotional rush the island could offer canyoners and it was no surprise that word soon spread around the canyoning community. The foundations had been laid for the sport’s commercialization. Although the Ribeiro Frio, located in the Areeiro area, is the most popular canyoning destination for enthusiasts, many other routes have already been mapped out, primarily for the use of experienced canyoners. Therein lies the problem, the lack of many simple canyoning routes that are ideal for novices to the sport, laments Francisco. For more information visit http://www.madeiratourism.org/; www.adesnivel.pt/canyoning/historia_do_canyoning.html and www.canyoningmadeira.blogspot.com/ "
Artigo retirado do site http://www.insideportugaltravel.com/